sábado, 10 de janeiro de 2009

Infinito


Paixão perfeita
Corpos suados
Exalam um doce odor,
Que os faz desejar
Mais e mais.

De novo,
Entrelaçados,
Viajam ao infinito,
Numa louca cavalgada,
Tantas vezes,
Até desfalecerem
De cansaço e prazer,
Nos braços um do outro.

Assim adormecem
Até o Sol se pôr,
E a lua vir vigiar
O tranquilo sono dos amantes.

É assim a nossa paixão.

Maria Madalena, 10 de Janeiro de 2009

2 comentários:

João Fernando disse...

E sussurrando a cavalgada...

Maria Mourão disse...

lindo poema escrito com muito amor e paixão:)))