domingo, 16 de novembro de 2008

Retratos

Provavelmente alguém como tu e como eu


Ontem, quando passei
junto às portas de St. Antão,
a caminho do Coliseu, perguntei-me,
quem Foi aquele homem
que agora dorme embrulhado
numa manta de farrapos,
junto daquela parede?


Uma qualidade


Como todo o ser humano
tenho defeitos e virtudes,
no entanto
há uma que reconheço em mim,
é que entendo tão bem as palavras,
como entendo o silêncio.


O Velho

Era um velho,
um rosto enrugado,
cujo sorriso se escancarava em janelas.
Zombavam dele,
aquela rapaziada nova
que com tudo se diverte,
de qualquer coisa fazem troça.
Pensei,
coitados será que não percebem
que um dia,
se lá chegarem,
também serão como ele?

25 de Fevereiro de 2008


4 comentários:

Artista sonhadora disse...

gostei muito titi Madá
beijinhos grandes

Anónimo disse...

há quem se divirta a custa da desgraça alheia infelizmente um dia lá chegaram a velhos e sabesse lá se não em pior situação

Anónimo disse...

velhos são os que se "divertem" à custa dos outros... por norma dos mais fracos...
e eles, estes novos velhos, não o sabem, não o querem saber, não reconhecem nos outros os seus próprios traços!
isabel

Zezé disse...

Parabéns Madá. Seu blog está lindo, principalmente pela sensibilidade que só seres humanos lindos como você e João sabem ter.
beijinho brasileiro
Zezé