quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Simples

Eu não peço muito,
Quero apenas sentar-me nesta pedra
À beira deste caminho
Esperar por ti
Ver a tua silhueta
Recortando a luz do Sol
Sorrindo para mim
Olhos brilhantes
Braços abertos,
Depois
Aninhar-me em ti
Eternamente…

Mas,
Consigo apenas que
Uma lágrima me role pela face.
Consegues dizer-me porquê?

Porque não brilha o Sol
Nem a Lua
Nem as estrelas,
Porque não correm rios para o mar
Porque não voam aves para o céu
Porque não caminhas para mim?

Uma lágrima,
Uma lágrima apenas
Envolve-me.
Devolve-me
À realidade.

Tu não estás
Nem virás
Eternamente…




Madalena, 25 de Setembro de 2008

2 comentários:

Anónimo disse...

muito lindo como sempre
Fatinha

Margarida disse...

Gosto demais deste poema, talvez porque tenha em si um pouco da tristeza e arrebatamento que ponho nos meus.
Margarida