segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Simplesmente tua

Sentei-me à beira mar
Doce e tranquilo o som das ondas
Que suavemente
Me embala,
Cada uma que vem morrer na praia
Traz-me
Recordações de
Sonhos perdidos,
Abandonados,
Há muito esquecidos.

Pé ante pé chega a noite
Minha companheira,
Trazendo com ela uma Lua plena,
E plena me sinto eu
De amor,
Novos sonhos,
E poemas.

Chegas, e
Sem esperar cobres-me
Calmamente,
Lentamente,
Docemente
De beijos com sabor a mel e a sal.

Nesta noite
Realizas
Cada um dos meus desejos,
Mais secretos,
Mais íntimos.

Suavemente o dia nasce
Sorri-me o Sol,
Ou imagino eu que me sorri,
Pois ainda sinto em mim
Os teus lábios,
A tua pele,
O teu corpo,
Todo o amor que fizemos.

Quando estás
Não sou mais dona de mim.
Possuída por ti…
…sou simplesmente tua.


Maria Madalena e Fátima Mourão

2 comentários:

Anónimo disse...

pois foi uma alegre surpresa ler este poema a duas mãos!
beijinhos
isabel
bestial!

Maria Mourão disse...

tambem vou passar esta versão para o meu blogue e para o cantinho da poesia,gosto dela
Fatinha