domingo, 28 de dezembro de 2008

Um poema


Um poema não são palavras,
São trilhos, sulcos, na terra lavrada,
Sementes lançadas em terreno fértil,
O da nossa imaginação.
Terra lavrada por arado puxado por juntas de bois,
Ou tractor arfando pela terra seca e barrenta.
Um poema vem dum momento de tristeza,
Ou duma gargalhada que ecoa pelos vales do teu corpo.
Um poema é um bouquet de rosas,
Vermelhas, amarelas e brancas,
Com perfume de junquilhos,
Com o sabor salgado do mar,
E as cores dum pôr-do-sol,
Bem lá no alto,
Ou as dum arco-íris
Em dia de tempestade.
É o choro de vida duma criança,
Olhos abertos para a vida,
Gatinhando e caminhando pelo mundo,
Sulcando o seu próprio terreno,
A Vida que nós gerámos,
Um poema que trazes dentro de ti,
O nosso mais belo poema,
Prosa no teu ventre.

6 Julho 2004

3 comentários:

Susana Ferreira disse...

Está excelente amigo João,como sempre ,o que tu escreves sabe bem ler,que imagens tão bonitas tu retratas aqui no teu poema,é verdade um poema pode ser isso e muito mais,pode ser tudo o que quisermos.
beijinhos e um bom ano para ti amigo João Fernando.

Maria Madalena disse...

Mais um poema dedicado àquilo de que gostas, a tua terra, a natureza e claro a mim, tens um estilo muito próprio, (todos têm) e é claro que eu gosto não dúvides nem um pouco, tu és prático, eu sou sonhadora, tu vês a beleza das coisas, e eu a tristeza. Eu AMO-TE.

Maria Mourão disse...

um belo poema cheio de emoção,gostei imenso,um bom ano 2009 para ti e familia
Fatinha