terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Indecifrável

Falta-me a coragem,
Só o certo me acompanha,
Queria o impossível,
Subir ao negro céu da noite
Para te poder dar a Lua.



Maria Madalena, 20 de Janeiro de 2009

8 comentários:

FUMADOR disse...

Como sempre uma bela escrita.

Margarida Piloto Garcia disse...

Gosto desta incerteza tão certa.

Susana Ferreira disse...

Ai pois é titi se isso fosse possível na realidade...,mas em sonhos é sempre possível agarrar a lua e é um belo presente para iluminar a noite.Por isso nunca deixes de sonhar.
Gostei do que escreveste titi.beijinhos grandes

Maria Mourão disse...

Eu também queria pegar a lua
Fatinha

Anónimo disse...

Mais que a coragem o poder.....

Maria Madalena disse...

diz-se que querer é poder. A esperança é um motor para a coragem, quando há esperança e coragem há impossíveis que acontecem. O nosso poder, embora limitado, é potente. Por vezes arriscamos quando conseguimos vislumbrar, nem que seja uma pequena luz ao fundo do túnel, mas também temos que saber reconhecer quando perdemos e quando a luta já não faz sentido. O poder, é uma mistura de esperança, coragem, e com isso conseguimos ir buscar a Lua, o Sol, e todas as estrelas que há no céu, basta uma luzinha que nos guie, que nos dê força e esperança e com a nossa coragem, o poder é nosso...

Anónimo disse...

Cito alguns versos Do Cântigo Negro :
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
- Sei que não vou por aí!

Maria Madalena disse...

Curioso este comentário, há já algum tempo "que sei que não vou por aí". Se aqui voltares, anónimo ou anónima, parece-me mais anónima, verás que esse mesmo cântico negro é um dos poemas que constam no meu blogue aqui colocado em 8 de Janeiro, e um dos que gosto mais de José Régio.
Leio-o de cada vez que preciso de tomar uma decisão importante na minha vida, tal como a que tomei recentemente... Não eu também não vou por aí, vou e irei sempre para onde a minha consciência, o meu coração e o meu "bom senso" me levarem. Já travei lutas enormes e a que se avizinha talvez seja a maior de todas, porque "sei que não vou por aí" por muito que mo digam "com olhos doces", não irei, (Nunca fui para onde não quis)...